Painéis

(P51)

O Oriente, a Sul do Ocidente. Etnografias do Sul sobre contextos árabes e islâmicos

Localização A1.13, Reitoria/Geociências (Map 10)
Date and Start Time 09 September, 2013 at 09:30

Co-Coordenadors

Paulo Pinto (Universidade Federal Fluminense) email
Maria Cardeira da Silva (CRIA / NOVA FCSH) email
Mail All Co-Coordenadors

Resumo Curto

Este painel pretende dar conta de investigações e etnografias sobre contextos árabes e islâmicos, produzidas em países do sul da Europa e da América do sul. O debate será centrado na ideia de orientalismos em contraponto.

Resumo Longo

Este painel pretende atualizar e alargar contactos entre investigadores de países do sul da Europa e da América do sul que se têm debruçado sobre contextos árabes e islâmicos com um ponto de vista descentrado dos grandes loci produtores do orientalismo.

Pode acreditar-se que esses 'orientalismos periféricos' podem contribuir para um eventual desconcerto do estrabismo orientalista dito hegemónico, (de que os primeiros são, em todo o caso, tributários); mas a pertinência da atualização que aqui pretendemos assenta mais na convicção de que:

a)tanto a revisão comparada dos quadros de produção académica sobre 'os árabes' e o 'islão' nestes países pode fornecer material etnográfico pertinente para a compreensão de configurações particulares da constituição de sujeitos por via de processos de outrificação e normatização (dos mais íntimos aos mais etnogenealógicos e políticos)

b)quanto o acompanhamento objetivado e informado de etnografias contemporâneas localizadas pode esclarecer as condicionantes que definem os quadros políticos de produção do conhecimento concomitante.

Não se propõe um exercício fátuo de procurar alternativa ao orientalismo, mas antes torná-lo etnograficamente produtivo por via de um retorno heurístico à territorialização das pesquisas e à comparação entre quadros de produção, mais e/ou menos periféricos, colocados em contraponto. Por isso são bem-vindas participações de reflexão histórica, conceptual e/ou etnográfica.

This painel is closed to new comunicação proposals.

Comunicações

A Dupla Face do Orientalismo Brasileiro

Autor: Paulo Pinto (Universidade Federal Fluminense)  email

Short Abstract

Ao chegarem ao Brasil, os emigrantes de fala e cultura árabe encontraram algumas representações informadas por uma releitura local do orientalismo europeu.

Resumo Longo

Ao chegarem ao Brasil, os emigrantes de fala e cultura árabe encontraram um universo cultural no qual já circulavam algumas representações sobre quem eles eram e qual seria o seu lugar possível na sociedade brasileira. Assim, a construção das identidades árabes se deu em um complexo processo de negociação entre fatores locais, nacionais e transnacionais. Alguns desses fatores derivavam da dinâmica interna da comunidade árabe, outros eram colocados pela sociedade brasileira, e outros consequência de processos culturais e políticos nas sociedades do Oriente Médio, assim como na Europa e nas demais comunidades árabes nas Américas.

A maioria das representações sobre os árabes que estavam presentes na sociedade brasileira derivavam do orientalismo europeu, embora se possa falar de certas especificidades do orientalismo brasileiro.

Embora o orientalismo centrado em representações negativas sobre os árabes fosse bastante forte no Brasil durante o século XIX, os pensadores sociais brasileiros do início do século XX, como Gilberto Freyre e Luís da Câmara Cascudo, incorporaram os árabes como parte da herança cultural lusitana que valorizavam em suas explicações do Brasil.

La excepcionalidad del orientalismo español : antropologías (y otras aproximaciones) desde la periferia

Autor: Angeles Ramirez (Universidad Autonoma de Madrid)  email

Short Abstract

La comunicación revisa la producción española sobre los contextos islámicos, examinando las condiciones de producción del conocimiento etnográfico y proto-etnográfico desde una perspectiva de orientalismo periférico y tratando de establecer relaciones con los otros orientalismos objeto del panel.

Resumo Longo

En la introducción a la edición española de Orientalismo, Edward Said, que no había incluído los orientalismos periféricos en su estudio, afirmaba que « España es una notable excepción en el contexto del modelo general europeo cuyas líneas generales se describen en Orientalismo ». La razón, aducía Said admitiendo la influencia de Juan Goytisolo, es que el islam había formado parte de la cultura española durante siglos, algo que todavía era patente. Formando parte de la cultura española, el islam no se presentaba como algo externo y exótico, sino como interno y cotidiano. Hasta tal punto creía Said en esto que tomaba a España como la excepción al « choque de civilizaciones » ¿Significa eso entonces que la producción española sobre los contextos islámicos queda fuera del alcance orientalista ? Lo cierto es que Said estaba también orientalizando España, minimizando el poder imperial español con respecto al norte de África y exotizando la imagen de Al Andalus, al que llamaba Andalucía. Con ello reproducía las representaciones que de España se hacían escritores y antropólogos anglosajones visión que ha sido criticada por antropólogos y antropólogas como Pina-Cabral, Llobera o Victoria Ana Goddard.

Esta comunicación pretende realizar un análisis de la producción etnográfica española desde las políticas del conocimiento, con alguna referencia a los debates sobre la España orientalizada que fue objeto de las « etnografías del mediterráneo » y trabajando « en contrapunto » con los otros orientalismos periféricos : del sur de Europa y de América Latina.

España y el doble orientalismo from below

Autors: Virtudes Tellez (University of Castilla La Mancha)  email
Livia Jimenez Sedano (Universidade Nova de Lisboa)  email

Short Abstract

El orientalismo español presenta unas características muy específicas. En esta presentación nos centramos en las voces de ciudadanos y ciudadanas de Madrid que se autodenominan “españoles” y “marroquíes”, para explorar cómo construyen sus identificaciones y alteridades con respecto al etiquetado como “otro”.

Resumo Longo

Las relaciones entre las poblaciones del sur de Europa y el norte de África han sido intensas, tienen gran profundidad histórica y han sido un elemento fundamental para construir las formas de pertenencia y diferencia étnica en ambas orillas. La proximidad geográfica, cultural, y los intensos lazos sociales creados a lo largo de siglos conforman un escenario muy distinto del de otros contextos europeos y su historia de relación colonial con países de mayoría musulmana. Así, el orientalismo español presenta unas características muy específicas. En esta presentación queremos centrarnos en las voces de ciudadanos y ciudadanas de Madrid que se autodenominan "españoles" y "marroquíes", para explorar cómo construyen sus identificaciones y alteridades con respecto al etiquetado como "otro". Nos basamos para ello en el análisis de grupos de discusión que hemos realizado con población residente en Madrid que se autodenomina "española" y "marroquí". El marco teórico de análisis son las gramáticas de identidad/alteridad de Baumann y Gingrich. La conclusión principal es que los participantes se construyen un escenario común donde se ubican a sí mismos como diferentes al otro basándose en una gramática de tipo orientalista donde "lo español" es dibujado como algo más avanzado en ciertos aspectos pero que ha perdido elementos valorados que aún se conservan en "lo marroquí"; en otro orden, se construyen como semejantes en contraste con un tercero respecto al que también se sitúan de modo orientalizante: "Europa" ("más avanzado que nosotros") o bien "otros países árabes" ("más atrasados que nosotros").

Iberoamérica en el espejo de Oriente: la visión en "contrapunto" de Habib Estéfano en las primeras décadas del siglo XX

Autor: Juan José Vagni (Universidad Nacional de Córdoba)  email

Short Abstract

La figura de Habib Estéfano constituye un ejemplo singular de identidad múltiple, construida en un inusual itinerario entre el Oriente árabe, Europa y América. La revisión de su producción nos permite observar las confluencias de las ideas de hispanidad y arabidad en los inicios del siglo XX.

Resumo Longo

La figura de Habib Estéfano constituye un ejemplo singular de identidad múltiple, construida en un inusual itinerario entre el Oriente árabe, Europa y América. Su trayectoria personal condensó las contradicciones y tensiones de dicho recorrido: sacerdote maronita primero, luego académico de lengua árabe en el efímero reinado de Faisal I en Damasco y, finalmente, orador y propagandista de la causa árabe e hispana en suelo americano. De allí que su producción literaria, aunque reducida, muestre la complejidad y diversidad de esa travesía, articulando las nacientes ideas de la Arabidad y la Hispanidad.

Estéfano encontró en el Oriente árabe y en la España musulmana un espejo para reflejar la multiplicidad de los aportes culturales que conformaron la identidad del Nuevo Mundo. Su construcción del Oriente aparece recortada y amoldada a las expectativas de su audiencia local, especialmente de las comunidades árabes asentadas en América.

La exaltación del aporte hispánico e ibérico en la conformación americana lo llevó a poner en cuestionamiento otros proyectos como el indo-americano, el latino-americano y el panamericano, entre otros. En su postura contra la atracción del modelo estadounidense, como así también el del "cosmopolitismo" francés y el de la revolución rusa, procuró devolver a España su "merecido lugar" en la conciencia de los americanos.

El objetivo de esta ponencia será así revisar el recorrido ideológico de estas propuestas, en el contexto de las realidades históricas que atravesaron la producción de dicho autor.

Reflexões: o Islã herdado - Brasil, Portugal e Espanha

Autor: Vera Lúcia Maia Marques (UFMG)  email

Short Abstract

O objetivo desta comunicação será fazer uma reflexão de dados recolhidos em Portugal em que deparei-me com controvérsias relativamente ao uso do termo «convertido/revertido», devido às relações históricas árabe-islâmicas no país.

Resumo Longo

O topos Gharb al-Andalus, importante na memória dos muçulmanos na Península Ibérica é elemento fundamental e de motivação para estas reflexões. Apagado da história oficial de Portugal e da Espanha tem vindo a ser retomado abrindo campo a que alguns novos muçulmanos recusem o uso do termo «convertido/revertido», tomando-o como um «rótulo» pejorativo.

Assim como em Portugal, no Brasil alguns novos muçulmanos também têm se identificado com o passado histórico africano, valorizando a Revolta dos Malês. Alguns relatos históricos dão conta de que foram os Malês que fizeram florescer o Islã no Brasil deixando seus traços entre os brasileiros.

Entretanto, uma outra questão tem chamado a minha atenção. Num contraponto entre Portugal e Brasil, para além dos brasileiros herdarem alguns legados dos negros trazidos como escravos, os brasileiros também herdaram muito dos traços culturais dos portugueses, descendentes de mouros e moçárabes. Entretanto, são nos africanos que alguns brasileiros muçulmanos por «conversão» têm buscado se reconectarem, fazendo o uso deste «passado» para se identificarem também com um Islã «herdado». Portanto, a questão a qual me lanço está focada em entender o motivo que leva alguns «novos muçulmanos» a imputarem um maior peso histórico aos africanos e à imigração árabe posterior do que à presença portuguesa-árabe-moura, tentando traçar um comparativo entre Brasil, Portugal e Espanha.

Criatividade, intersubjectividade e novas geografias imaginativas nas colaborações de músicos do Sul da Europa e do Mundo Árabe

Autor: Leonor Losa (UNL FCSH)  email

Short Abstract

Esta comunicação procura compreender como o encontro intercultural e intersubjectivo operado na criação de objectos musicais e expressivos no universo da world music, até agora descrito como homogeneizador, é gerador de estruturas de sentimento contendo depoimentos alternativos.

Resumo Longo

Seguindo uma tendência generalizada no sul da Europa, nos últimos anos, músicos portugueses começaram a envolver-se em práticas de fusão e colaborações com músicos do designado mundo árabe. Estas novas estéticas de colaboração encontram-se ancoradas em discursos de proximidade cultural reivindicando afinidades promovidas por uma longa história de convivência entre os habitantes da Península Ibérica e o Norte de África. Enfatizando o pathos emocional da voz cantada, este eixo imaginado de filiação expressiva e cultural posiciona Portugal (nos discursos dos músicos) na área cultural do Mediterrâneo e do mundo árabe, por oposição à tradicional localização do país no Atlântico que tem constituído uma formulação discursiva operativa tanto do ponto de vista do poder político como da gestão social das relações entre Portugal e as suas ex-colónias. Deste modo, a aproximação criativa ao oriente e o posicionamento na área cultural do mediterrâneo, apresenta-se como forma de desvinculação da construção política da Lusofonia, assente na fantasia de partilha de elos culturais e identitários unindo os povos transnacionais de expressão portuguesa. Esta comunicação pretende averiguar de que forma novas "geografias imaginativas" (Said 1978) projectando mutuamente visões do sul da Europa e do oriente são produzidas de modo dialógico entre músicos que articulam experiências, histórias e legados distintos, promovendo modos criativos alternativos aos discursos dominantes da política cultural que configuram concepções do mundo e estruturas de sentido marginais. Enquanto trabalho em curso explora, por ora, a imaginação como prática social (Appadurai 1996) e problematiza intersubjectividade como espaço de agência.

"Princesas" europeias no Saara: leituras ambivalentes dos contactos pré-coloniais no sudoeste da Mauritânia

Autor: Francisco Freire (CRIA / NOVA FCSH)  email

Short Abstract

Esta comunicação apresenta uma recolha de tradições orais relativas à presença de "princesas" cristãs no sudoeste da actual Mauritânia, e subsequente incorporação deste corpus nos idiomas tribais (ainda privilegiados neste contexto).

Resumo Longo

Esta apresentação trata algumas leituras contemporâneas e definições identitárias relativas à história pré-colonial da população bidan do sudoeste saariano.

O estudo baseia-se num corpus de tradições orais relativas à inicial presença Europeia nesta região, e em particular no que concerne a incorporação de "princesas" Europeias/Cristãs em genealogias tribais. A análise destes processos autoriza uma leitura dos iniciais encontros euro-saarianos (e suas posteriores redefinições) como elementos plenamente incorporados nas tradições historigráficas da região, e nos processos de subsequente consolidação identitária. A incorporação destas figuras femininas na paisagem social saariana marca também a apropriação - por vezes a "conquista" - de personagens Cristãs por idiomas culturais locais, aqui definidos sobretudo em torno dos conceitos de tribo e Islão. A prevalência destes elementos na tradição oral, assim como a sua complexa articulação, confirmam o esforço local de reconfiguração do passado euro-saariano, e o interesse até hoje atribuído a estas ligações, longas de mais de cinco séculos.

O património de origem portuguesa em Safim: discursos de poder e práticas espaciais

Autor: Ana Sofia Neno Leite (Universidade de Coimbra)  email

Short Abstract

O período colonial foi determinante para as práticas de patrimonialização. A independência colocou à sociedade marroquina o desafio de implementar lógicas de gestão do património. A comunicação reflete sobre a articulação entre os discursos as práticas espaciais, tendo como objeto o património.

Resumo Longo

O período colonial em Marrocos foi determinante para o desenvolvimento de práticas de patrimonialização, reflexo dos seus mecanismos de poder e conhecimento sobre o território. Esta foi uma importante etapa na produção de modelos, na reprodução e difusão de informação, no planeamento urbano moderno, bem como nos processos de classificação arquitectónica e patrimonial. A transição para a independência colocou à sociedade marroquina o desafio de reinterpretar conceitos e processos e de implementar lógicas próprias de gestão do património na criação da sua própria urbanidade e modernidade.

Esta comunicação visa expôr um conjunto de reflexões sobre os processos de patrimonialização das construções arquitetónicas ditas de origem portuguesa na cidade de Safim e a sua expressão em múltiplas representações e apropriações e, consequentemente, na cidade e nas suas dinâmicas sociais. A apropriação do património é uma ferramenta conceptual na formulação de discursos produtores de identidade ou legitimadores de poder.

Estas múltiplas apropriações traduzem-se no desenvolvimento urbano da cidade que integra este património, pelas políticas de actuação, planos urbanos e de salvaguarda, planos estratégicos de desenvolvimento e turismo, diversos discursos e práticas espaciais das comunidades locais. A leitura do desenvolvimento do espaço urbano, a partir das representações do património dito de origem portuguesa em Marrocos, desde o período do Protectorado Francês até à actualidade, pretende contribuir para a clarificação de discursos nem sempre complementares ou coincidentes e sobretudo frágeis ou muito fragmentados e para a compreensão das práticas urbanas.

O entrelaçamento de culturas e o processo de invenção do outro: encontro nas diferenças

Autor: Fernando Resende (Universidade Federal Fluminense / Faperj)  email

Short Abstract

Análise de um relato de viagem de um imã iraquiano que apresenta o embate oriente/ocidente a partir de uma luta político-cultural. Ela questiona narrativas hegemônicas, geopolíticas dominantes e revela disputa de sentidos e modos através dos quais o Brasil oitocentista inventa o muçulmano como outro

Resumo Longo

No sem-fim do jogo da narração e pensando cultura como prática significante, esta comunicação apresenta elementos mediatórios essenciais para a leitura de modos de vida e crenças partilhados na diferença (Bhabha). O objetivo é reconhecer os marcadores de diferenças como parte de um movimento que acontece com e a despeito das geopolíticas dominantes (ocidentalismos/orientalismos) que afastam culturas, apartam sujeitos e decodificam modos de vida. A comunicação propõe pensar as categorias nós e eles como construídas a partir de relações histórico-culturais, considerando haver sempre traços e restos (Lévinas) que, longe de significar unidade, são indicativos de relação de alteridade. O objeto analisado é o relato de uma viagem que um imã iraquiano faz ao Brasil do século XIX, que coloca em questão as narrativas hegemônicas acerca do confronto político-cultural protagonizado por afro-muçulmanos na Bahia de 1835. A análise evidencia uma trama de relações e usos de poderes, ativando os marcadores de diferenças e revelando os modos através dos quais o Brasil oitocentista inventa o muçulmano como outro. Um dos nossos pressupostos sugere que olhar para os tempos múltiplos e os intertextos tecidos na narrativa (Ricoeur) é também olhar para as marcas na tessitura da cultura. O mundo árabe visto como "outro" também se dá a conhecer à luz dessas lutas travadas no âmbito das políticas e das culturas. É pois na dimensão de um "cultural" (Appadurai), tecido na fronteira das diferenças, que voltamos nossos olhos para os recuos, os avanços e as formas de promover contenções e distensões no embate ocidente/oriente

Muçulmanos brasileiros na dar al- islam : a busca por conhecimento religioso e a construção de identidades religiosas transnacionais

Autor: Gisele Fonseca Chagas (Universidade Federal Fluminense)  email

Short Abstract

Esta comunicação visa discutir as dinâmicas relacionadas aos processos de aquisição/ transmissão de conhecimento religioso através da análise de trajetórias pessoais de muçulmanos brasileiros que se deslocaram pela dar al-islam para estudarem religião e que retornaram posteriormente ao Brasil.

Resumo Longo

A noção de conhecimento religioso é central para a maioria dos muçulmanos, com o estudo e o aprendizado dos princípios islâmicos normativos sendo entendidos como forma de adoração e um pressuposto para salvação. Desde os primeiros tempos da história islâmica, muçulmanos de todo o mundo transpuseram fronteiras geográficas e culturais, deslocando-se em jornadas espirituais e intelectuais em busca de conhecimento. Embora distintas concepções e transações de conhecimento religioso tenham moldado as diferentes tradições islâmicas, a noção de ummah (comunidade mundial de fiéis) ganhou força no imaginário dos muçulmanos, contribuindo para a elaboração simbólica de uma geografia do conhecimento que direcionasse os fiéis em seus deslocamentos pela dar al- islam (terra do islã).

Considerando a dimensão transnacional que envolve os processos de aquisição, transmissão e circulação de conhecimento islâmico no contexto contemporâneo, o objetivo desta comunicação é explorar, etnograficamente, as dinâmicas e tensões que informam tais processos a partir da análise de trajetórias pessoais de muçulmanos brasileiros que se deslocaram pela dar al-islam (neste caso, Arábia Saudita, Síria, Egito e Irã) em "busca de conhecimento religioso" - sobretudo para estudarem em instituições religiosas- e que depois retornaram ao Brasil. Para tanto, serão analisadas as diferentes formas pelas quais tais muçulmanos aprenderam, compartilharam e questionaram os valores islâmicos, assim como suas experiências pessoais, muitas vezes conflitantes, em países majoritariamente muçulmanos. Com isto, pretende-se discutir como identidades e redes de pertencimentos religiosos são construídas nas complexas e "generativas" interseções entre o local e o global - entre Brasil e Oriente Médio.

O Refúgio no Brasil: deslocamento, heterotopia e memória entre os refugiados palestinos em Mogi das Cruzes, SP.

Autor: Daniele Abilas Prates (Universidade Federal Fluminense)  email

Short Abstract

Este artigo analisa o deslocamento e os processos de construção de formas de habitar entre refugiados palestinos reassentados em Mogi das Cruzes, SP. Com o deslocamento, os refugiados reconfiguram e criam lugares sociais a partir de relacionamentos e interconexões com redes locais e transnacionais.

Resumo Longo

Redes locais e redes transnacionais não são espaços totalmente dissociados para os refugiados palestinos. Elas estão em constante contato, pois são simultaneamente ativadas e produzem uma interação entre local e global que se mostra fundamental no processo de construção da habitabilidade dos refugiados reassentados. São redes entrelaçadas que permitem um estar aqui e lá, numa dinâmica que constrói uma liminaridade relativa, uma vez que não isolam os refugiados num espaço ou noutro, e apontam menos para a inexorabilidade do processo ritual linear e mais para a manutenção de um momento liminar contraditório, em que esforços de agregação são vividos simultaneamente a tentativas de retorno a um momento pré-separação. Esses entre-lugares são, certamente, uma forma de construção de lugares sociais em que os refugiados palestinos desenvolvem novas formas de habitar, que desafiam padrões estáticos e categorias restritivas de pertencimento.

Conclui-se que o deslocamento não é um abandono de lugares, ou uma simples justaposição ou sobreposição de lugares, mas uma ampliação de espaços que são ocupados de maneiras criativas pelos refugiados. Dessa forma, o não-lugar passa a ser um lugar de recriação de si, um espaço heterotópico, no qual os refugiados palestinos experienciam e criam disposições novas para sua habitabilidade em um contexto de movimento.

PDF Download PDF of comunicação

This painel is closed to new comunicação proposals.