Painéis

(P34)

Cidades em movimento: reconfigurações identitárias em espaços de mobilidade (PT/ES/EN)

Localização Sala 5, Ciências Veterinárias (Map 30)
Date and Start Time 10 September, 2013 at 09:30

Co-Coordenadors

Graça Cordeiro (ISCTE-IUL) email
Alessandra Barreto (Universidade Federal Fluminense) email
Mail All Co-Coordenadors

Resumo Curto

Promover a aproximação de estudos urbanos, locais e transnacionais, reveladores das conexões e intersecções entre processos identitários, territorializações, mobilidades e acções políticas em contextos cosmopolitas

Resumo Longo

As conexões e interacções entre as várias dimensões da vida urbana contemporânea têm sido um dos temas estruturantes da antropologia urbana. A abordagem etnográfica das cidades tem aproximado os estudos locais dos estudos transnacionais, contribuído para o reconhecimento das mobilidades humanas como elementos ativos e estruturantes das realidades locais e até micro-locais, e não como simples epifenómenos da globalização capitalista.

Os protagonistas dos processos de mobilidade transnacional são, cada vez mais, atores sociais envolvidos nas dinâmicas de produção da identidade do lugar, criadores e replicadores dos discursos e das práticas da sociabilidade urbana e, até, agentes ativos e estratégicos para o desenvolvimento da economia local. Hoje, imigrantes laborais, residentes estrangeiros, emigrantes de retorno ou estudantes de intercâmbio configuram algumas das complexas mobilidades contemporâneas que, em contextos de sociabilidade cosmopolita, participam dos processos de produção do espaço das cidades e de novas configurações e possibilidades de atuação política.

Neste painel procuramos aproximar os contextos locais dos fenómenos transnacionais, reveladores da multiplicidade de práticas e olhares que confluem nestas urbes feitas de mobilidades. Convidamos à apresentação de etnografias e contributos teóricos sobre fenómenos de mobilidade que conectem grupos sociais e lugares (turismo, migração, diáspora); estudos de caso sobre o envolvimento de migrantes em processos e dinâmicas locais (associativas, políticas, religiosas, culturais); reflexões sobre o papel dos agentes sociais exógenos nos processos de transformação urbana e capitalização sócio espacial (nobilitação, renovação, abandono); participação de deslocações humanas na produção e circulação de imagens e sentidos patrimoniais locais ou transnacionais (tradição, identidade, imaginários).

This painel is closed to new comunicação proposals.

Comunicações

Raizes Portáteis: cultura alimentar e identidade em contextos migratórios

Autor: Rogéria Campos de Almeida Dutra (Universidade Federal de Juiz de Fora)  email

Short Abstract

Este trabalho traz como proposta a investigação do papel das tradições alimentares nos contextos migratórios com o objetivo de mapear as estratégias de manutenção e transformação da cozinha nativa em novos contextos.

Resumo Longo

Este trabalho traz como proposta a investigação do papel dos hábitos alimentares nos contextos migratórios com o objetivo de mapear as estratégias de manutenção e transformação da cozinha nativa em novos contextos. A partir de estudos etnográficos que tratam das populações em situação de deslocamento tem-se como propósito identificar os processos pelos quais os hábitos alimentares atuam nas demarcações identitárias. A cozinha de uma sociedade, para além de ingredientes e fórmulas culinárias traduz a ordem social e cultural vivenciada no cotidiano sendo um dos elementos portadores de marcas de diferenciação social. Por outro lado, sua condição de ser transportada por migrantes ao local de destino a torna capaz de criar redes de produção e circulação de ingredientes específicos, além de promover momentos de socialização e comensalidade.

The production of interculturality in two urban spaces: Lisbon and Granada compared.

Autor: Nuno Oliveira (ISCTE-IUL)  email

Short Abstract

Accommodating cultural diversity has been one of the focus of local cultural policies and urban planning. Comparing two “diversity festivals” we seek to understand how interculturality fits urban planning strategies and is discursively produced with a view to create a certain image of the city.

Resumo Longo

Issues of cultural diversity governance have been on the agenda with regard to urban paradigms that seek to accommodate the diversity driven by a globalized world. Globalization replaced nation states by cities as the main nodes in the systems of cultural and capital flows. This new urbanscapes feature particular conditions of interaction corresponding to what Wise (2006) termed "quotidian transversality". The space where the contact zones unfold in everyday practices is not, however, as free floating and spontaneous as Wise suggests. By looking into the production of two "diversity festivals" we contend that this space is not just constructed in interaction but it is intersected by systemic forces outside its supposedly inherent practical rituals and negotiations. Such forces range from urban planning, hosting policies, strategies of political actors as well as the market which are all intertwined in what we call the space of interculturality. The space of interculturality should be understood as a space of practices, that is a nexus of interdependent practices that comprises not only actions as well as discourses (as language practices), institutions (constraining and facilitating both actions and practices) articulated into cultural repertoires mobilized by actors to interpret the social world. Methodologically the research comprehended a mix between a multi-situated ethnography and traditional qualitative sociological research. Comparison was carried out between a neighborhood in downtown Lisbon and Granada.

Trajetos na busca de um santo em Portugal: olhares a São Sebastião

Autors: Hélcio Medeiros (Universidade Federal Do Rio Grande Do Norte)  email
Luiz Assunção (Universidade Federal do Rio Grande do Norte)  email

Short Abstract

Busca-se construir uma trajetória, um percurso que encontre os elementos simbólicos constitutivos das linguagens comunicativas que foram incorporadas pelas tradições advindas de Portugal descobrindo as conexões entre a festa no Brasil dedicada à São Sebastião.

Resumo Longo

Não é de hoje que pesquisadores de vários países se deslocam de seus contextos locais em busca de elementos que liguem e revelem os traços comuns que configuram identidades, tradições e construções imaginárias da vida social em outras realidades transnacionais. Busca-se construir uma trajetória, um percurso que encontre os elementos simbólicos constitutivos das linguagens comunicativas que foram incorporadas pelas tradições advindas de Portugal descobrindo as conexões entre a festa no Brasil dedicada à São Sebastião, especificamente localizada em um bairro da cidade de Natal, e as tradições populares das festividades públicas e religiosas em Portugal.

Não é só a língua que apresenta diferenças quando nos movemos no espaço cosmopolita e transnacional. Existem outros elementos como o clima, o fuso horário, os hábitos e tradições culturais, a arquitetura, o sistema viário e a própria geografia do lugar. O que produz e estabelece conexões ou interações é justamente o que Michel Agier (2011) chama de partilhar o sentido em jogo na situação, ou seja, experienciar e compreender a realidade.

Nestes trajetos descobre-se o que é comum, o que se entrecruza, sem desconsiderar o que é diferente. As festividades públicas a São Sebastião e outros santos em Portugal apontam para uma diferença entre as festas no Brasil, quer no ritual, nas performances, na estética e nos elementos característicos das tradições religiosas que as configuram. As marchas e cortejos têm identidades iguais às procissões religiosas vivenciadas pelos brasileiros.

Cidadãos do mundo: deslocamentos, cosmopolitismo e mediação entre imigrantes brasileiros na Europa

Autor: Alessandra Barreto (Universidade Federal Fluminense)  email

Short Abstract

Este trabalho traz uma reflexão sobre a questão do cosmopolitismo na contemporaneidade a partir da experiência associativa de imigrantes brasileiros em metrópoles europeias.

Resumo Longo

As grandes cidades e metrópoles aparecem como espaços por excelência para pensarmos o cosmopolitismos a partir da intensificação dos processo de comunicação e de circulação de informação, pessoas, bens e símbolos. Nesse sentido, o estudo do associativismo e da constituição de projetos coletivos por imigrantes brasileiros na Europa possibilita atentarmos para a construção de novos discursos sobre cidadania e sobre o direito à cidade, que relacionam valores e pertencimentos locais e supralocais, enfatizando a mediação cultural e política desempenhada por algumas lideranças imigrantes e sua importância para a construção de novas modalidades de cosmopolitismo.

Between integration and segregation. A dialectic view of the use of cultural heritage by the Bulgarian community in Valladolid.

Autor: Alberto Alonso-Ponga García (Universidad de Salamanca)  email

Short Abstract

Performance of Cultural Heritage among the migrants and locals is a source of meanings for the social life. It becomes a factor of urban transformation helping in the definition of the urban space; a dialectic process of integration and segregation where the identity of the community is defined.

Resumo Longo

This paper will discuss the importance of the role of cultural heritage in the process of creation of identity discourses. Analyzing the case study of the Bulgarian community settled in Valladolid (Spain), it will be presented how cultural heritage becomes a source of the identity discourse of the community. Hence, the production of the cultural heritage becomes an important work among the group, encouraging the emergence of an internal hierarchy and the defining the right of participation and membership.

On one hand, Cultural Heritage also becomes an empowerment tool of the community facing other communities. Showing their own culture and rituals to the rest of the town, they are reinforcing their position, based on the symbolic value of the culture. Such process is strength related with the definition of the boundaries.

On the other hand, as far such identity discourse is established, a kind of segregation can be also observed. The performance of their own rituals can be seen as a way of pointing out the difference between the Bulgarian community and the locals. Therefore, cultural heritage reveals as a power method of identity production, which leads the community to a dialectic point between integration and segregation.

The new forms of cultural Heritage emerged from the interaction of the locals and the migrants contribute in a powerful way to the social production of the town. In such production, the social boundaries are redefined, offering as good point to understand the urban space and its meanings.

Migration, experiences of urban life and the making of city culture(s)

Autor: Vanessa Cantinho de Jesus (Universiteit van Amsterdam)  email

Short Abstract

Through ethnographic datagathered among young adults living in Amsterdam I suggest that particular urbanities constitute an important resource for migrants’ emplacement and construction of belonging. I explore how such dynamics participate in the (re)production and transformation of city culture(s)

Resumo Longo

In this paper I draw on ethnographic data gathered among young adults living in Amsterdam to suggest that particular urbanities - produced in the context of contemporary global restructurings of cities - may constitute an important resource for emplacement (Glick Schiller and Caglar 2013) and construction of belonging for migrants. By doing so I intend to both propose an alternative approach to the issue of identity construction in migration contexts - one that is not limited to the ethnic lens - and explore how such migrants' emplacements participate in the (re)production and transformation of city culture(s).

Within the on-going reconfiguration of cities on the contemporary world, leisure and consumption landscapes appear more and more as an important part of the branded character of urban competing capitals. Urban planning in the post-industrial cities of the West favour creativity, tolerance and diversity (Florida 2005) in tandem with the increase of the cultural-knowledge economy, as the new exciting growth formula. But outside the offices of policy makers and city planners', urbanites aren't simply neutral receivers of such structural decisions but rather the ones who steam life into the concrete surroundings. As such they must also be, not only the consumers of localized global trends, but also the producers in a dialectic relationship that binds together the construction of self and place. In the migratory context this relationship can be significant for the performativity and narration of the self, while at the same time it is constitutive of the quotidian processes of city making.

Os estudantes Erasmus em Lisboa: lazer programado e processos de distinção social na reprodução do imaginário da cidade.

Autor: Daniel Malet Calvo (ISCTE-IUL. University Institute of Lisbon)  email

Short Abstract

Os estudantes Erasmus são considerados como atores sociais transnacionais implicados, mediante as condições da sua estadia, na produção e reprodução de variados processos de transformação urbana vinculados ao consumo da cidade.

Resumo Longo

Nesta comunicação vou apresentar os primeiros resultados do projeto: "Agentes transnacionais nos processos de patrimonialização da cidade: o caso do programa Erasmus em Lisboa", que tenta estabelecer a relação entre a mobilidade estudantil organizada pelo programa europeu Erasmus, com as variadas dinâmicas e processos urbanos que tem lugar na cidade. Os estudantes estrangeiros são atores sociais incontornáveis no contexto das dinâmicas de produção da identidade do lugar, estão envolvidos nos discursos e nas práticas da sociabilidade urbana, e nos processos de capitalização sócio-espacial associados. O objetivo da pesquisa é conhecer as interações estabelecidas entre os estudantes do programa Erasmus e os processos de revalorização, tematização e patrimonialização urbana que tem lugar na cidade de Lisboa. Mas, para atingir este objectivo, é preciso conhecer e descrever sistematicamente os processos sociais e o quotidiano onde os estudantes de intercambio estão envolvidos: que discursos, práticas e condições de produção e reprodução apresentam as suas vidas no novo enquadramento local?; que implicações e participações concretas mostram nos processos sociais e nas transformações dos contextos onde habitam?; qual é a sua posição específica na estrutura social micro local e quais os seus hábitos de sociabilidade, formas de agrupamento e vizinhança?; qual é o seu papel como criadores, reprodutores e difusores de sentido, nomeadamente na imaginação patrimonial sobre a cidade de Lisboa?.

Identidades en movimiento: la sociabilidad commuter en los desplazamientos en ferrocarril en la RMB

Autor: Joan Josep Pujadas (Universitat Rovira I Virgili)  email

Short Abstract

La movilidad cotidiana (desde el lugar de residencia al de trabajo) constituye un espacio que la mayoría de commuters considera propio e inalienable. Junto a otras actividades, la sociabilidad ocupa un lugar central y puede llegar a hablarse de nuevas formas de amistad móvil y post-territorial.

Resumo Longo

Tomando como marco la Región Metropolitana de Barcelona (RMB), hacemos una presentación de los avances de una investigación que analiza el papel que desempeña la movilidad cotidiana en la organización personal y familiar de quienes viajan diariamente desde su lugar de residencia al de trabajo o estudio.

Nuestra investigación se centra esencialmente en los usuarios del transporte público (ferrocarril) y en el uso que hacen del tiempo de viaje. Por medio de etnografía ferroviaria, entrevistas informales, historias de vida y cuestionarios, hemos profundizado en las lógicas y estrategias que subyacen a las prácticas de commuting.

Partimos de una tipología de base empírica sobre commuters y de actividades realizadas en el tiempo de viaje. La existencia de commuters con larga trayectoria, así como la larga distancia de muchos desplazamientos diarios (entre 60 y 100 km) nos indica que nos encontramos frente a todo un fenómeno social de gran magnitud. El viaje diario constituye un tiempo invertido, no perdido, un momento propio, que puede usarse en seguir trabajando, en leer, en relajarse y dormir o bien, como el caso analizado, en establecer relaciones de sociabilidad. Éstas últimas derivan, a veces, en relaciones de verdadera amistad, ya que (como dice un informante) "mis compañeros de viaje son las personas de este mundo con quien paso más tiempo hablando diariamente".

Estas nuevas formas de sociabilidad desterritorializada son un indicio, tanto de nuevos estilos de vida urbana, como de notorios cambios en los procesos de construcción social de la identidad.

Quando localidade e transnacionalismo se confundem : etnografia de um espaço público em Lisboa.

Autor: Francis Rigal (ISCTE/IUL-FCSH/UNL)  email

Short Abstract

A praça pública central de Lisboa é dominada por práticas de sociabilidade. Numerosos cidadãos de origens variadas produzem deste modo uma cidade relacional na qual uma imponente localidade tende a confundir-se com um transnacionalismo dominante.

Resumo Longo

Pretendemos com esta comunicação apresentar a caracterização de um campo de investigação, iniciado recentemente, no contexto de um doutoramento em Estudos Urbanos. Trata-se de uma etnografia das práticas de sociabilidade que se estendem sobre três praças públicas centrais da cidade de Lisboa (Rossio, Largo do São Domingos e Praça da Figueira). Quotidianamente ou regularmente, numerosos cidadãos e de origens extremamente diversificadas, de idades e condições sociais variadas, frequentam este espaço público para se encontrar e conversar. Esta prática transcultural, ou seja, este actuar comum composto por um conjunto de atores particularmente heterogéneo, mostra uma cidade relacional à escala humana no coração de uma hipertrofia urbana.

Se por um lado os atores da mobilidade incorporam a cidade familiarizando-se e identificando-se com o lugar, por outro o espaço adquire sentido pela territorialidade dos cidadãos. Espaço e atores aparecem então intimamente imbricados num jogo de interferências e influências recíprocas entre o local e o transnacional. Com efeito, o contexto de localidade torna-se ativado e mantido por práticas transnacionais, e simultaneamente, o contexto desta vez transnacional dos atores é superado pela prática de localidade. Local e transnacional parecem desta forma misturarem-se. Esta dinâmica inscreve-se na territorialidade, revela-se nos sentimentos de identificação e delicia-se nas mobilidades.

Por conseguinte, duas intenções dominam a investigação : onde se jogarão então os laços e as demarcações entre um conjunto de pequenos mundos distantes de fronteiras permeáveis ? Por outro lado, como se articulará uma prática social densamente local e habitantes com redes sociais e vidas significativamente transnacionais ?

Cidades, Rios e o transporte fluvial no Amazonas (Brasil)

Autor: Yuri Bassichetto Tambucci (Universidade de São Paulo (USP))  email

Short Abstract

Descrever as viagens de barco e o transporte de passageiros entre cidades do estado do Amazonas (Brasil), refletindo sobre como essa atividade influencia na interação entre cidades de dimensões variadas e suas águas, problematizando os limites entre esses espaços.

Resumo Longo

A maioria das cidades do Amazonas encontra-se à margem de rios, que assumem um papel fundamental enquanto meio de sustento, via de transporte e superfície sobre a qual se desenrolam as atividades cotidianas de parte da população. Repletos de palafitas, flutuantes e embarcações de todas as dimensões, as cidades estendem-se sobre as águas e se relacionam com as dinâmicas próprias do rio e com o ciclo de cheias e vazantes. Ao contrário de outros estados brasileiros, com redes rodoviárias consolidadas, o deslocamento predominante entre as cidades é o fluvial. Os passageiros e tripulantes dos "barcos regionais" experimentam, dessa forma, um modo particular de conceber os espaços através dos quais se deslocam. Os rios e a navegação fluvial permitem que cidades de dimensões diversas interajam, por intermédio dos viajantes, que vivenciam e constroem conexões motivadas por comércio, trabalho, lazer, turismo, relações de parentesco e amizade.

Esta pesquisa de mestrado vem procurando compreender de que forma a navegação fluvial influencia os modos de vida nas cidades amazônicas, quais as motivações e preferências de passageiros e quais os saberes e habilidades necessários para navegar. Dessa forma, pretende-se entender de que forma se dá a interação entre cidades de dimensões muito diferentes e delas com as superfícies líquidas. Rios e cidades se confundem, nos permitindo problematizar as fronteiras entre esses espaços. Foi realizada uma incursão etnográfica em algumas cidades amazônicas para compreender a dinâmica de seu porto, sua orla e as viagens de barco entre as cidades de Manaus, Itacoatiara, Parintins, Barreirinha e Maués.

This painel is closed to new comunicação proposals.